O multifacetado Augusto Conceição e seu Movimento Cultural Samba do Vai Kem Ké

Augusto conceição - Multi-Instrumentista
Augusto Lopes Ferreira Conceição, nascido em 27 de julho de 1967, é filho do Maestro Vivaldo Conceição e Dona Marilúcia Conceição, é compositor, músico, multi-instrumentista, arranjador e produtor musical. Participou de
momentos relevantes da música baiana e brasileira, como a produção e execução do primeiro documento histórico de áudio de Samba Junino com o grupo Samba Fama, foi diretor musical e trombonista da banda Timbalada, desde seu primeiro disco no ano de 1992, até o ano de 2004. Participou da formação de outras bandas, como músico e como diretor.
Assina a composição de inúmeras canções que fizeram muito sucesso, Juliana (A Boa), gravado por Pierre Onasis, Pererê, Bug-bug By-by, A galera, gravadas por Ivete Sangalo, dentre outras. Recentemente vem lutando e resistindo á complicações renais que o obrigam a fazer hemodiálise três vezes na semana, mas não o impediu de fundar o Espaço Cultural Casa do Maestro, casa em que mora e tem um espaço destinado á cultura que leva o nome em
homenagem ao seu pai.
É idealizador do Grupo Cultural Samba do Vai Kem Ké, grupo que aborda o Samba de Roda e Samba Duro, em seus principais desdobramentos na capital e no interior do estado. É o dono de boa parte do repertório do
grupo, além de ser o diretor musical e arranjador.
1993 – Augusto Conceição entra na Timbalada como um dos integrantes fundador da banda. Durante 12 anos no grupo atuou como músico, diretor musical, compositor e cantor, gravando algumas canções como “Mulate do
Bundê, “Ta na mulher”, “Itaim para o Candeal”, “Choveu sorvete” e “Braseira ardia”. Permaneceu no grupo até o ano de 2004, em seguida retomou sua carreira de compositor, tornando-se um hit maker lançando sucessos como: “Juliana” música premiada no carnaval dos 450 anos de salvador, “Pererê”, “Bug bug bye bye”, “Brasileiro”, “Zum zum ê” , “É a galera”, “Pra balançar”, “Tum tum dois corações”, “Caminhão da alegria”, “Som das ruas”, “Eu vc, vc e eu” , Piriri Piti entre outros.
Em 2015, revitalizou o Samba Junino na região da Federação com a retomada dos ensaios aberto do Samba Fama na Casa do Maestro e pré-produçäo do novo CD no estúdio WR.
Em 2016, realizou uma série de ensaios no espaço cultural Casa do Maestro, promovendo eventos culturais em prol da preservação da memória e patrimônio imaterial, o samba junino e a música baiana no geral.
Em 2017, inicia a criação do Projeto Vai Kem Ke, fundando o Grupo musical homônimo em 2018. Neste novo trabalho foram apresentadas releituras e novas composições, performance e participação de novos integrantes, incluindo as sambadeiras no back vocal, o grupo se consolidou com ampla aceitação do publico e da critica. No verão de 2019 foram realizadas os ensaios, alem de diversas apresentações em espaços culturais da cidade.
Em 2019, realiza Oficinas percussivas e intercâmbio musical com músicos de diversos países. Como Mestre Griô participou das reuniões da Salvaguarda do Samba Junino promovida pela Fundação Gregório de Matos,
representando seu trabalho. No mesmo ano recebe a Premiação do Samba Junino com a realização do Arrastão do Vai Kem Ké na comunidade do Alto das Pombas e rua Mestre Pastinha. Atuou no documentário “ De porta em Porta” promovido pela Fundação Gregório de Matos. Neste ano Consolida suas apresentações no Centro Histórico, além de diversos outros locais como teatro e espaços culturais da cidade.
Augusto Conceição
5 1 vote
Avaliação do artigo
Sobre Luzia Moraes 556 Artigos
DIRETORA DE ARTE E CULTURA DO SITE CAFÉ COM SHAH e Produtora cultural, ativista socioambiental, escritora
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments